Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘IBGE’

Nestas 64 cidades brasileiras, a expectativa de vida – superior a 78 anos e entre as maiores do Brasil – se aproxima à da Dinamarca. Apenas 4 estados têm representantes

Com expectativa de vida acima de 78 anos, as cidades deste ranking alcançam a média do Brasil do futuro: o país só viverá o que já é realidade nelas a partir de 2026, segundo previsão do IBGE.

A longevidade da campeã nacional, Blumenau, em Santa Catarina – onde os cidadãos vivem em média até os 78,6 anos – se aproxima à de países como Dinamarca, cuja expectativa de vida é de 79 anos (dados de 2010, do Banco Mundial).

Mesmo diante do desempenho superior destes 64 municípios – concentrados sobretudo em Santa Catarina e Rio Grande do Sul, mas com representantes de outros dois estados – nenhum deles chega perto da média de nações como Japão e Suíça, onde já se alcança os 83 anos.

A previsão é que o brasileiro passe dos 81 em 2055. Hoje, 2013, está em 74,8.

Os dados são do Atlas do Desenvolvimento Humano 2013, organizado pelo Pnud, órgão da ONU, a partir de dados do Censo 2010, do IBGE.

Conheça abaixo as cidades catarinenses que estão entre as 10 primeiras, dentre elas Joaçaba – da Rota da Amizade.

1ª. Blumenau, Santa Catarina – 78,64

2ª. Brusque, Santa Catarina – 78,64 (Imagem – Exame.com)

3ª. Balneário Camboriú, Santa Catarina – 78,62 (Imagem – Exame.com)

4ª. Rio do Sul, Santa Catarina – 78,61 (Imagem – Exame.com)

5ª. Rancho Queimado, Santa Catarina – 78,59 (Imagem – Exame.com)

6ª. Rio do Oeste, Santa Catarina – 78,52 (Imagem – Exame.com)

7ª. Joaçaba, Santa Catarina – 78,44. Cidade sede da Rota da Amizade C&VB (Imagem – Exame.com)

8ª. Iomerê, Santa Catarina – 78,44 (Imagem – Exame.com)

9ª. Porto União, Santa Catarina – 78,43 (Imagem – Exame.com)

10ª. Nova Trento, Santa Catarina – 78,43 (Imagem – Exame.com)

Conheça as outras cidades na matéria original em Exame.com.

Read Full Post »

A despesa média mensal com viagens dos grupos familiares chegou a R$ 50,16, de acordo com um estudo divulgado na última semana pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Intitulado POF (Pesquisa de Orçamentos Familiares) 2008-2009, o estudo aponta que o transporte e a alimentação foram os itens que mais pesaram nas despesas com viagens das famílias brasileiras.

Nesta abordagem inédita sobre gastos com viagens, o IBGE mostra que quanto maiores a renda e o nível de escolaridade, mais as famílias gastam. Para aquelas com rendimentos superior a R$ 3.015 mensais, a despesa média foi de R$ 147,63. O valor é equivalente a quase o triplo da média nacional e quase dezoito vezes maior que o gasto das famílias com renda mensal de até R$ 910.

No recorte sobre nível de escolaridade, observa-se que quando o representante da família tem, pelo menos, nível médio incompleto, a despesa média mensal familiar é de R$ 187,61. Isso representa quase quatro vezes a média nacional (R$ 50,16) e mais de oito vezes a estimativa das famílias cuja escolaridade da pessoa referência era o nível fundamental ou menos.

A pesquisa constatou também que 37,9% dos gastos estão associados a viagens de lazer, recreio e férias. Em segundo lugar, aparece visita a parentes e amigos (22,3%), seguido de negócios e motivos profissionais (15,8%) e de tratamentos médicos (8%). Depois do transporte e da alimentação, os itens de maior peso nas despesas das famílias são os pacotes turísticos (12%) e alojamento e aluguel de imóveis por temporada (11,6%).

Serviço
www.ibge.gov.br

Read Full Post »